17/01/2013

      Soneto aos animais
  
Na ronda de cada dia
Como um bicho faminto
Na louca taquicardia
Segue o seu cego instinto.

Chega ao deleite e ao ócio
Seguindo qualquer multidão
Por que é muito mais fácil
Ignorar a razão.

E isso nos faz humanos
Animais que ostentam panos
Suas joias, seus metais.

E isso nos faz humanos
Nem as joias nem os panos
Nos fazem menos animais.

  Pedro Hiago Santos Marques - O pirulito da ciência.